Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Na semana passada (teria sido há duas semanas atrás?), a propósito da cíclica discussão à volta do peso das mochilas escolares (com o seu conteúdo, claro), começaram a sugerir como alternativa, os tablets com manuais digitais.

 

Mandam as regras da blogosfera, que se comentem temas actuais para ter muitos comentários, partilhas, tráfego… Cá a menina precisou de vários dias para evitar muitos adjectivos.

 

Informo que as próximas palavras serão contidas e culminam na minha (forte) oposição à utilização de manuais escolares digitais.

jeremy-bishop-131058.jpg

 



DESVANTAGENS NA UTILIZAÇÃO DE MANUAIS ESCOLARES DIGITAIS

 

  1. Os tablets avariam e partem-se com facilidade.
  2. As baterias dos tablets só têm garantia de 6 meses.
  3. A logística de carregar as baterias em ambiente de aula seria um pesadelo.
  4. Mesmo com seguro de reparação e accionamento da garantia do tablet, as crianças ficariam sem ferramentas durante o período em que tablet estivesse a ser reparado (cerca de 1 mês).
  5. Os custos de utilização de manuais escolares digitais com tablet seriam maiores que a dos manuais em papel (se acham se os preços dos manuais desceriam para justificar o investimento num tablet, é porque não acompanham os preços ebooks).
  6. Os estudos mais recentes têm advertido para riscos na utilização prolongada de ecrãs para ler e o impacto do tipo de estímulos neurológicos associados à utilização de computadores.
  7. O ensino através de multimédia não se resume a conteúdos animados e a sua utilização teria de ser precedida de formação de quem a vai utilizar como ferramenta.
  8. Os pais não estão preparados para os riscos relacionados com a segurança informática.



SUGESTÕES DE COMO DIMINUIR O PESO EM MOCHILAS ESCOLARES

 

  1. Estabelecer a obrigatoriedade de manual único - não existe qualquer razão, excepto a margem de lucro das editoras, para que os pais comprem múltiplos livros para cada disciplina (actividades e afins).
  2. Estabelecer a obrigatoriedade de um peso máximo ou número máximo de páginas para cada manual - pode parecer absurdo, mas seria a única forma de evitar a criação de mega livros (xico espertice); bastaria utilizarem, como referência, o número médio de páginas, dos últimos 3 anos, dos manuais existentes.
  3. Dividir o manual escolar em fascículos ou partes (percebem agora a necessidade do ponto 2?).


Notem que não sugiro os cacifos como a solução. Faço-o porque ainda não me explicaram como isso seria compatível com a existência de trabalhos de casa.


47 comentários

Sem imagem de perfil

De Sofia a 22.02.2017 às 12:00

Olá Cristina,

Tenho 32 anos e uma filha de 8 que está agora no 3º ano, felizmente o único peso que a minha filha carrega na mochila é o caderno dos TPC's, a caderneta e o cartão da escola e assim é desde o 1º ano.
O que acontece é na 1ª lista de material enviada pela professora, constava,entre outras coisas, o pedido de uma caixa de tamanho médio de plástico, que a professora acabou por explicar ser para ficar na sala com todo o material dos alunos (estojo incluído), e que em casa deveria ficar apenas o essencial aos tpc's. No final de cada ano a caixa vem para casa para ser vazada e voltar no ano seguinte com os livros e cadernos novos. Isto evita duas coisas: o esquecimento do material e a sobrecarga das mochilas.

Não sei por que razão mais escolas não adoptam este sistema...

E por favor digital não! Pelo bem dos olhos das nossas crianças e sanidade mental e monetária dos pais!

Bjinhos
Imagem de perfil

De Magda L Pais a 22.02.2017 às 14:50

isso só funciona no 1º ciclo. O problema começa no 5º ano - 1º ano do segundo ciclo e vai-se agravando. É que, a partir do 2º ciclo, são mais disciplinas, mais professores, mais salas de aula, horários diferentes, etc e tal e isso não é compativel com deixar as coisas na escola.
Sem imagem de perfil

De Sofia a 22.02.2017 às 15:36

Sim tem toda a razão, mas aí normalmente já se tem acesso aos cacifos onde podem guardar o material, ou pelo menos na minha altura assim o era e na escola da minha filha, que vai até ao nono ano, também é. Enfim isto varia também de escola para escola se bem que devia haver um consenso! :)
Imagem de perfil

De Magda L Pais a 22.02.2017 às 16:20

não há cacifos em todas as escolas e mesmo as que os tem não chegam para todos os alunos. Com a agravante - como é perguntado no texto - que os alunos precisam dos livros para os TPC e para estudar. Não há solução fácil, a verdade é essa mas gosto das propostas deste post. Acho mais exequiveis que, por exemplo, os tablets
Imagem de perfil

De Descontos a 22.02.2017 às 18:55

Também tenho uma sobrinha na primária que é parecido com isso. Mas os livros têm de ir para casa para os tpc.
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 29.06.2018 às 20:36

Eu só não percebo uma coisa: Se os livros ficam na escola, como é que os alunos estudam?
É que se é só para usar na escola nem era preciso haver livros. Bastava passar num projector!
Sem imagem de perfil

De Vania a 22.02.2017 às 13:00

Assino por baixo nas sugestões. Não consigo compreender como o meu filho que está no 8º ano por vezes tem uma mochila que É IMPOSSIVEL levantar do chão. Isto porque leva o livro e o caderno de fichas para cada disciplina, mais o material e por vezes o equipamento de ginástica. Ora se nesse dia tiver 4 disciplinas diferentes, imagina no que dá. Já agora gostaria de colocar uma questão, tens tido dificuldade em ver o blog da Ariana?. É que por qualquer motivo só permite acesso a leitores convidados???. BJS
Imagem de perfil

De Descontos a 22.02.2017 às 14:22

Melhor que a minha resposta, são as palavras da Ariana: http://diariodasminhasfinancaspessoais.blogs.sapo.pt/pormenores-144849

Desça um bocadinho nos comentários ;)

Acho que vou precisar de encomendar um post à Ariana (no Descontos) só para avisar a malta que ela está bem ;)
Sem imagem de perfil

De Vânia a 23.02.2017 às 15:43

Obrigada ;)
Imagem de perfil

De Melhor Amiga Procura-se a 22.02.2017 às 14:23

post muito interessante...
Sem imagem de perfil

De Sandra F. a 22.02.2017 às 14:37

O meu filho vai entrar no 1.º ano em Setembro e espero, sinceramente, que não seja com manuais escolares digitais!! Ele usa óculos desde os 4 anos, a graduação das lentes está a aumentar de 6 em 6 meses, já tem uma miopia considerável e, apesar de termos PC e tablet, vigiamos bem o tempo (e o conteúdo), dos jogos e vídeos que o deixamos assistir. O que não tem lógica são os livros de exercícios e fichas que são à parte dos manuais. E, honestamente, a quantidade de TPC's que as crianças levam para casa para que tenham de andar com toda aquela parafernália atrás, todos os dias, a todas as horas do dia (pelo que vejo com os meus sobrinhos, que, às seis da tarde já estão em casa e têm TPC's para, pelo menos, 1 hora e meia). Ainda não percebi como querem que crianças tão pequenas se mantenham concentradas o dia todo na escola e depois cheguem a casa e, em vez de brincarem um bocadinho, se concentrem para mais horas de estudo!! Isto quando têm a sorte de estar cedo em casa, nem quero pensar nos que chegam tardíssimo e ainda têm de fazer aquilo tudo! Não sou contra os TPC's, mas acho que alguns professores exageram...
Imagem de perfil

De Descontos a 22.02.2017 às 18:56

Para mim, é absurda a existência de TPC na primária, pelo menos para turmas que têm aulas todo o dia.
Sem imagem de perfil

De mara a 22.02.2017 às 14:41

Não posso concordar mais ! Apenas uma ressalva: cacifos como aquele que caiu em cima da minha sobrinha, NÃO ! Cacifos têm que estar presos /fixos em segurança, para que não possam cair com todo o seu peso em cima de crianças. A minha sobrinha vai ficar com uma leão para toda a vida, apenas porque "adultos" não sabem o que significa ser previdente.
Sem imagem de perfil

De mara a 22.02.2017 às 14:42

Ressalvo: ...com uma lesão para ...
Imagem de perfil

De Fátima Bento a 22.02.2017 às 18:26

Presumo que tenham pedido indeminização.

É da obrigação da escola manter as crianças em segurança. Não chega o seguro escolar.

Há que apurar responsabilidades criminalmente.
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 22.02.2017 às 18:17

Acho que a utilização de um suporte digital ajudaria o meio ambiente (menos árvores cortadas) mas as crianças não são capazes de cuidar de um tablet.
No entanto poderia haver uma espécie de tablet por secretária que apenas executasse os livros escolares em formato digital. O aparelho funcionaria na tomada e não iria permitir o uso de jogos.
Ocasionalmente o professor poderia ativar o modo internet para os alunos poderem aprender a fazerem pesquisas decentes (essencial nos dias de hoje).
Todo o trabalho feito deveria poder ser acedido pela plataforma da escola para os miúdos poderem levar o trabalho para casa e estudar.
Até sairia barato, o dinheiro que se poupava por o formato ser digital dava em poucos anos para pagar os aparelhos....

Sem imagem de perfil

De C a 22.02.2017 às 19:06

Menos árvores cortadas, mas mais químicos no ar e solo. Além de que, poderia ser utilizado papel reciclado nos manuais escolares, hoje em dia já se produz papel reciclado de boa qualidade.

Não há dinheiro para papel, canetas e computadores do mais básico, no sector público, quanto mais para tablets.

Se não há uma porta que aguente numa escola pública... imagine um tablet. Como disse e muito bem, inicialmente, as crianças não são capazes de cuidar de um tablet.

Independentemente de estar ou não afixado à secretária, os alunos arranjariam iriam danificar o aparelho em pouco tempo, dado que é frágil. E também sai dispendioso, são centenas de euros para cada aparelho, que julgo que não duraria um ano. Com esse dinheiro dá para comprar todo um rol de manuais para um ano escolar.
Imagem de perfil

De Fátima Bento a 22.02.2017 às 18:32

"Os custos de utilização de manuais escolares digitais com tablet seriam maiores que a dos manuais em papel (se acham se os preços dos manuais desceriam para justificar o investimento num tablet, é porque não acompanham os preços ebooks)"

Não.

Eu tenho um ereader há uns cinco anos, e GARANTO que os preços dos ebooks não são superiores aos das edições em papel.

Apesar da diferença ser menor de que há 5 anos atrás o valor a pagar continua a ser inferior.

(não conheço as fontes em que se baseia, mas posso dar-lhe as minhas...)
Imagem de perfil

De Descontos a 22.02.2017 às 19:12

Eu acompanho (pessoalmente) os preços de ebooks e a diferença de preços, entre a versão papel e digital é mínima, salvo alguma promoção pontual.

O último livro do Dan Brow (estou a seguir a página inicial da Wook ebook): livro a €22.20 e ebook a €17.99

Esse tem sido a realidade nacional e até internacional.

Fui agora espreitar um livro a que tenho estado atenta na amazon: Lab Girl: livro 10.32 e ebook 7.42

E numa posição dominante de manuais escolares, jamais haveria baixas de preços reais, que compensasse a compra e manutenção de um tablet.
Sem imagem de perfil

De C a 23.02.2017 às 12:11

Apenas acrescento, quando compramos livros em papel o custo que temos a considerar é o dos livros, unicamente. Quando pensamos no custo dos livros digitais, não podemos limitar-nos aos livros em si, temos que ter um aparelho para os ler, isso significa que o custo de ler em digital engloba também o do dispositivo para ler.

Não é fácil comprar com rigor o custo de ler em digital versus papel, pois nunca sabemos quantos livros digitais iremos adquirir/ler com o dispositivo que vamos comprar. Porque não sabemos qual a durabilidade do aparelho, nem que uso lhe vamos dar.

Mas é fácil perceber que ler em digital, livros, principalmente em português de Portugal, hoje em dia, sai mais caro do que em papel. Dado que a diferença de preço de cada livro é mínima e o digital implica um investimento considerável inicial, na compra do aparelho.

Depois há a considerar alguns pormenores. Podemos trocar um livro em papel, doar, ou até vender. E com o livro digital, o que podemos fazer quando já não nos for útil? Pessoalmente, desconheço que usos se lhe podem dar.
Sem imagem de perfil

De C a 23.02.2017 às 12:13

Correcção, onde está "Não é fácil comprar com rigor o custo de ler em digital versus papel" o que queria dizer é "Não é fácil comparar com rigor o custo de ler em digital versus papel".
Imagem de perfil

De Descontos a 25.02.2017 às 08:28

Concordo C., uma das razões para não comprar livros digitais é precisamente o que mencionou no último parágrafo. Acrescentaria apenas: emprestar.

Que me recorde, só comprei dois ebooks na minha vida, ambos sobre poupanças, americanos (nunca serão cá traduzidos) e em promoção. De outro modo, o transporte ficava mais caro que o livro.
Sem imagem de perfil

De C a 22.02.2017 às 18:50

Ainda sofro as consequências do peso que carreguei nas mochilas do tempo em que andava no ensino básico, principalmente do 5º ao 9º ano de escolaridade. Mochilas cheias de livros e cadernos, no dia a dia. Já lá vão mais de 10 anos e o problema mantém-se. Isto demonstra a incapacidade da sociedade portuguesa lidar com problemas importantes, de exercer a cidadania, de trabalhar em conjunto, muitas vezes olhando para o lado porque "não é com os meus filhos".

Concordo com o post. Só não é em absoluto, porque acho que pode haver um manual para cada disciplina. Os manuais do meu pai, do tempo em que a escolaridade obrigatória era a 4ª classe, são exemplo disso. Papel mais económico e menos pesado, livros de estudo sem exercícios, com tanta matéria como os manuais actuais, mas muito menos páginas e peso.

Para mim os exercícios estão nos manuais pelo interesse das editoras e nada mais. Acho que é desnecessário e fundamento a opinião com o que acontece noutros níveis de ensino, em que os exercícios são fornecidos de outras formas, quer através de pequenos livros de exercícios, fotocópias ou até enviados por e-mail para imprimir à medida das necessidades. Isso permite usar em cada momento o que é necessário e não carregar às costas os exercícios de um ano inteiro.
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 22.02.2017 às 21:53

Não faço ideia de como se passa o dia a dia dos miúdos nas escolas hoje em dia
Não acho que suporte digital seja solução
Acho uma __ulice o que as editoras fazem

Quando eu andava na escola, chegava a levar 5/7 livros e/ou material desportivo - 7 horas, 7 disciplinas 7 livros; ou 5 disciplinas e educação física - mas só levava para lá e de volta para casa. Não havia cacifos e as aulas eram sempre na mesma sala. Menos uma ou outra mas mesmo que fosse biologia num laboratório, a mochila ficava na sala inicial com o restante.
Não sei se os miúdos hoje em dia andam de sala em sala com as coisas e, pelo que percebi, com dois livros por disciplina, mas acho que solução passa por proibir as editoras de continuarem a roubar pais, alunos e toda a sociedade "pagante". Todo o ensino devia ser gratuito.
Mesmo reduzindo vai continuar a existir esse problema...isto ainda vai dar muitas voltas.
Sem imagem de perfil

De Ana a 23.02.2017 às 01:03

Recordo-me no infantário onde a minha filha mais nova andou, no corredor onde estava o bengaleiro, de ouvir telemóveis a tocar como se fossem uma orquestra, dentro das mochilas e sacos de crianças com 4/5 anos. a educadora disse-me que era normal... algumas mães davam tlms as crianças para irem perguntando se estava tudo bem. O quê???
Sou a favor dos ebooks! Não no 1º e 2º Ciclo. Mas a partir do 3º Ciclo e Secundário seria bastante favorável. Poderia ter um suporte em papel para os exercícios mas a "teórica" digital por mim era bem vinda. Actualmente com filhas no 9º e 10º ano, o peso das mochilas é de doidos. Sim, na verdade comigo foi igual e tal como elas, também carreguei o saco da ginástica e ainda o material de Ed. Visual... no meu tempo não havia cacifos, era um dia todo com o carrego ás costas mais o transporte público, cinco dias da semana com sol ou chuva.
Os tempos são outros e ainda bem. Terminem com os negócios duvidosos dos manuais escolares... actualizem as matérias, procurem soluções alternativas junto dos países que há muito mudaram esta polémica. Ficam todos a ganhar.

Comentar post


Pág. 1/2



Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.





Calendário

Fevereiro 2017

D S T Q Q S S
1234
567891011
12131415161718
19202122232425
262728


Comentários recentes

  • Descontos

    "tentar levar como está para não estragar"Concordo...

  • Anónimo

    Eu resido na zona de Mafra, aqui perto há uma merc...

  • Descontos

    Eu não costumo usar o Too good to go porque, na mi...

  • Anónimo

    Obrigado

  • Anónimo

    Pois não consta. Obrigado na mesma. Só consigo aju...




Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2016
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2015
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2014
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2013
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2012
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2011
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D