Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Frequentemente, nas nossas compras, temos de fazer escolhas, preço vs. qualidade, é uma dessas escolhas. Será inevitável considerar que - no que respeita a frescos - o produto biológico será sempre a melhor opção. 

 

Todavia, a generalidade das pessoas não terá como comprar apenas produtos biológicos, já que o seu preço é bastante superior aos restantes. Ficamos assim sujeitas/os a pesticidas, adubos e demais produtos.

 

Acresce, acredito que - num sistema em que o controlo dos bens alimentares existe - as vantagens de uma alimentação rica em vegetais e fruta, ultrapassam os riscos de resíduos de pesticidas. 

 

Apenas encontrei dados europeus, reportando-se a análises de 2010 pela EFSA (Autoridade Europeia de Segurança Alimentar), mas provavelmente os mais recentes não divergir em muito.

 

De entre os produtos (frutos/vegetais/cereais) com maior percentagem de resíduos que ultrapassavam os limites máximos legais, estão:

  • aveia
  • alface
  • morangos
  • pêssegos
  • maçãs
  • peras
  • tomates
  • alho francês
  • repolho
  • centeio

 

É habitual encontrarem publicações denominam estes produtos por produtos sujos, querendo com isso dizer que são aqueles com maiores concentrações de produtos químicos.

 

Para ficarem com uma ideia, no referido relatório foram encontrados:

  • 328 tipos de pesticidas diferentes em vegetais
  • 301 tipos de pesticidas diferentes em frutas e frutos secos
  • 88 tipos de pesticidas diferentes em cereais

Não quero, todavia, ser alarmista. Em 97,2% das amostras analisadas, os valores estavam abaixo dos limites legais. E a probabilidade estatística aponta que, quando os limites são ultrapassados, isso é mais provável acontecer em produtos vindos de fora da União Europeia (7,9% contra 1,5%).

 

Outro resultado interessante está relacionado com os produtos que reúnem em si múltiplos resíduos químicos/pesticidas:

  • 62,8% dos citrinos;
  • 60,5% dos morangos.

Sem prescindir que este post trata apenas de frutos e vegetais, não resisto a contar que 95,7% das amostras de fígado possuíam 2 ou mais pesticidas.

 

 

Mas, também é necessário ter cuidado com a veracidade da denominação "biológico". Com efeito, 131 pesticidas diferentes foram encontrados em produtos ditos biológicos. E desses, 25 nem são admitidos na produção biológica.

 

Não desejo de todo fazer aqui a apologia do produto biológico para todas as panaceias. Comam bem, dentro das vossas possibilidades finaceiras.  Mas não resisto a lançar à discussão e talvez desafiar a que, por exemplo, plantem as vossas alfaces e morangos.

 

Sabiam que existe uma "alface de inverno"? Eu tenho comido alface caseira todas as semanas (sem estufas). 

 


16 comentários

Imagem de perfil

De Teresa a 09.01.2014 às 16:22

Não compro morangos nem brócolos, o meu pai cultiva a sua horta e diz-me sempre que são dos alimentos "piores" que andam por aí no mercado, isto devido aos pesticidas/químicos, se aparecesse lá em casa com algum destes produtos acho que excomungava :P

Apesar de termos horta, os morangos são cultivados em vasos (porque verificamos que produziam mais e com maior qualidade), por isso mesmo quem não tenha espaço pode cultivar morangos em vasos na varanda :) dão-se lindamente, nós tivemos morangos quase o verão todo.

Um abraço*
Sem imagem de perfil

De MICAS a 09.01.2014 às 16:42

eu raramente compro verduras e legumos nos Hipers. Do meu modesto ponto de vista, não tem sabor e são muito artificiais. Os biologicos para mim tambem eram muito caros. Ha cerca de 6 meses encontrei a solução: aderi à PROVE. Agora, todas as semanas vou buscar o meu cabaz, com os produtos da epoca, por 10 euros. Alem de consumir alimentos com sabor, ajudo os produtores locais e poupo. Porque só gasto 10€/semana em legumes e frutas, pois o cabaz tem um preço fixo. Sugiro que consultem o site na net, e tentem descobrir se perto de Vós existe algum local de entregas. Registei-me no site; escolhi o local de entregas; e tem sido perfeito.
Sem imagem de perfil

De Ana Caramelo a 09.01.2014 às 17:59

Obrigada Descontos por este post, é por este tipo de post que a considero o melhor blog do género.

Eu também queria aderir ao PROVE, mas depois fiquei com dúvidas na designação de biológica dada por eles, isto é sem apresentação de certificado, infelizmente ser de origem nacional e local não significa menos pesticidas entre outros produtos nocivos para a saúde humana.
Sem imagem de perfil

De David a 09.01.2014 às 21:25

Algo que indique ser biológico sem certificação vale zero. Existem certificações para produtos biológicos, tanto na Europa como EUA, Austrália, Japão, etc.
Na Europa terá de ter este símbolo: https://encrypted-tbn2.gstatic.com/images?q=tbn:ANd9GcSLqILdQSfMR-kQs6KHQcFxZEvUeBERDSnUO7kxiPq5yB4jXlO2Fw

Nos EUA existe um grande mercado de produtos biológicos, são muito acessíveis e variados, e com grande qualidade. É a certificação USDA Organic. Mas lá também existem muitos "farmer's markets" onde produtores regionais vendem os seus produtos, de origem biológica.

Cá em Portugal é só aldrabões, sei de casos no tempo em que os ovos não traziam carimbos, em que pessoas sujavam ovos de aviário com esterco de galinha para parecerem caseiros, metiam numa cesta com palha e iam vender para mercados como sendo ovos caseiros.
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 09.01.2014 às 21:43

Não ia escrever mas tenho que meter a colher.

Salvagardo que não estou a falar d prove que não conheço.

A verdade é que agricultor pequeno ou médio usa pesticidas. não estou a falar do pequeno quintal....agricultor mesmo que tenha outra profissão com produção considerável.
Cresci em aldeia com muitos agricultores e algumas explorações de fazer inveja. Mudarm-se alguns produtos por normas europeias mas continua a ser pratica corrente.

A minha prática leva-me a escolher coisas que não precisem de tratamento...kiwi por exemplo já as laranjas são sulfatadas....e consumir o que é tratado com muita moderação.
A única solução garantida é produzir em casa mas é difícil....uma boa dica é que quanto mais feio e disforme for o produto menos químicos tem, não foi tratado para cumprir normas de calibre e peso e cresceu livremente, de resto não há muito a fazer....

E para ajudar acrescento outra questão : já ponderaram a quantidade de plástico que fica depois de comprados os legumes e as frutas? Ainda não arranjei solução para isso...

Imagem de perfil

De Descontos a 10.01.2014 às 08:43

O próximo post precisa de ser o tópico que, indirectamente apontou: há frutas que têm poucos resíduos precisamente porque não necessitam.

Com efeito, no que respeita a plásticos, nas grandes superfícies que colocam autocolantes nas embalagens, não há como evitar. Noutras, que apenas amarram e pesam na caixa, podem sempre ser reutilizados os sacos.
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 10.01.2014 às 09:45

aproveitamos e fazemos um curso intensivo de agricultura :)

fora de brincadeira a única forma de ter a certeza que os produtos não têm nada mesmo é saber se foram produzidos através de permacultura.

a permacultura é uma forma de produção autosustentável que já se começa a praticar por cá.

a ideia base ( é bem mais que isso) é dispôr as culturas de maneira a que se protejam umas ás outras. nesta altura entra um bocadinho de filosofia porque há quem use o desenho da árvore de Platão para dispôr as culturas seguindo a ordem que o filósofo descreve no esquema.
ou seja: as culturas com caracteristicas femininas ficam na área do desenho a isso destinado, as da terra na outra área a isso destinado....e assim criam uma autosustentabilidade protegendo-se de pragas e alimentando-se por proximidade.

é um bocadinho por alto porque não sei mais que isto mas eu gostava tanto de poder fazer estas coisas!

Nota: a alguém que perceba disto e tenha a pontaria de ler este post, peço desculpa pelas incorrecões mas ainda só pude ler isto na diagonal por falta de tempo

Sem imagem de perfil

De Sandra C. a 12.01.2014 às 11:53

Gostei imenso deste post pois preocupo-me muito com este assunto. Tenho a sorte de ter pais e sogros com quintal que me dão produtos caseiros. Mas nãos e iludam pensando que não têm pesticidas. Apesar de eu barafustar imenso contra os pesticidas, o que me dizem é que, se os citrinos não forem sulfatados, não conseguimos comer nenhuns porque se estragam com o clima (sol+geada provocam uma doença nos citrinos, etc..). Portanto, mesmo o pequeno agricultor tem necessidade de usar alguns pesticidas para poder comer alguma coisa, mesmo sendo da época. É claro que, sendo produção própria o uso de pesticidas é controlado, minimizado e os tempos de segurança são mais do que cumpridos.
Relativamente à permacultura, nunca ouvi falar. MAS tenho uns amigos que se candidataram a uma hortinha comunitária e, por isso, tiveram direito a um curso de agricultura sustentável na LIPOR. O que os meus amigos me explicaram, por alto, foi mesmo isso que refere, colocar, por exemplo, rosmaninho ao pé das couves para afugentar alguns parasitas (inventei este exemplo, não sei se está correto, mas é para terem uma ideia de como funciona). Nas hortas comunitárias, do que me lembro, não se podem usar pesticidas ou pode-se usar apenas alguns permitidos na agricultura biológica.
Peço desculpa a quem me ler e perceber do assunto, se cometi algum erro.
Sem imagem de perfil

De Sandra C. a 12.01.2014 às 12:25

Quero acrescentar que, SE BEM ME LEMBRO, a solução de sulfato de cobre (a calda bordalesa) é permitida na agricultura biológica.
Mais ainda, os meus familiares dizem-me que é inevitável sulfatar os citrinos no Inverno mas, por exemplo, os morangos, os kiwis, as framboesas são frutos nos quais não é preciso usar químicos. Apesar de, por vezes, os morangos serem muitos pequenos e feios, são muito saborosos, claro. As alfaces, a rúcula e os agriões de terra também não precisam de químicos; só temos de manter os caracóis longe deles :-)
As couves, os pêssegos, as maçãs, as peras, são muito suscetíveis de terem doenças e, por isso, é inevitável aplicar-lhes químicos.
Espero ter ajudado!
Sem imagem de perfil

De Silverio Branco a 31.01.2015 às 18:41

Boa tarde, acerca da sulfatação dos citrinos não é realmente assim. Eu sou produtor biológico há 13 anos e nunca sulfatei os meus citrinos e posso dizer que colho 95% da produção. Apenas a mosca da fruta contribui para destruir esses 5% restantes. A laranjeira se for bem adaptada ao nosso clima resiste às invernias sem qualquer problema. Possuo laranja da baía e de exportação e não tenho qualquer problema. Poderei falar, por vezes, na cochonilha mas é fácil de evitar. O agricultor se conseguir, junto dos organismos que têm orientação biológica ou junto de um agricultor bio, apoio verá que não necessitará em absoluto de qualquer produto químico de síntese. Assim como poderá fabricar o seu próprio fertilizante. A sua horta adquirirá vida e concluirão após várias experiências que os químicos de síntese não são mesmo necessários.
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 10.01.2014 às 10:00

escrevi uma resposta dsobre permacultura mas de tantas inrterrupções não pibluquei ...
agora não tenho mais tempo.

se puderem procurem é ffantástico e garantia de ser livre de pesticidas

peço desculpa
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 10.01.2014 às 12:10

trabalhar e comentar não são actividades compatíveis.

as minhas desculpas
Imagem de perfil

De Descontos a 10.01.2014 às 12:18

Agora imagine: trabalhar e publicar posts.

Como a/o compreendo.
Sem imagem de perfil

De David a 09.01.2014 às 22:10

Algo também que se deve reparar nos legumes é a presença de caracóis ou lesmas, é sinal de poucos ou nenhuns pesticidas. Já apanhei no Continente repolhos todos ratados dos caracóis e foram esses que comprei.
Sem imagem de perfil

De Azoreanna a 11.01.2014 às 10:06

Raramente compro frutas e legumes frescos no hiper - se existem os legumes equivalentes congelados, compro-os. Geralmente trago as frutas e legumes frescos do quintal de meu pai...pode não ter a variedade do que encontro no hiper, mas sei o que estou comendo.

E sim, existe uma "alface" de inverno, só que é muito amarga......
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 15.01.2014 às 12:08

Para moradores em Vila Nova de Gaia

Feiras
As mulheres do campo vêm à vila
10h-12h30
sábados
Parque da Lavandeira
Oliveira do Douro

Venda de legumes sem pesticidas

infelizmente o meu horário não me deixa lá ir :(

Comentar post




Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Calendário

Janeiro 2014

D S T Q Q S S
1234
567891011
12131415161718
19202122232425
262728293031


Comentários recentes

  • infp

    nem a calhar! a ver se tiro a minha nikon do armár...

  • simplesmente...

    Obrigado pela informação.Bom fim de semana.

  • Joana

  • Descontos

    Sim, mas os restantes valores, dariam um desconto....

  • Joana

    Cristina se os 10€ de desconto no PD que fala é da...




Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2014
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2013
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2012
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2011
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D